Esquecido do mergulho nas trevas de mais 20 anos de tortura, mortes e desaparecimentos, os políticos da oposição, contrariando os interesses nacionais, como crianças levadas, brincam de novo com fogo. Querem desmantelar as instituições pelo simples prazer sádico de atingir os desafetos. O populacho branco com empregada a tiracolo, apeado do poder por treze longos anos e humilhado nas urnas por quatro eleições sucessivas, terá a difícil tarefa de admitir que foi longe demais ou continuar nesse ritual macabro de imolar a jovem democracia brasileira.

Se pela manhã a situação beirava a comicidade, pequenos detalhes ao longo do dia deveria ligar as sirenes de perigo. Estamos tendo saudações nazistas, pedidos de golpes militares, dinheiro público para financiar o deslocamento de manifestantes, contagem anabolizada de manifestantes por parte das TVs capazes de contabilizar 250 mil pessoas em uma praça que não suporta 30 mil, uma polícia que recusa divulgar números para não desmascarar a mídia, policiais federais protestando não como cidadãos, mas como servidores públicos, juízes e promotores agindo descaradamente ao arrepio da lei numa clara tentativa de solapar os resultados legítimos das urnas? ´E sério?

Os 50 milhões de votos valem menos que uma turba de velhinhos simpáticos, playboys e patroas brancas? É correto tirar um governo eleito democraticamente e substitui-lo por alguém não eleito pelo povo?

Resta-nos a opção, à Cazuza, Brasil quem é paga para gente ficar assim?

Escrito em maio de 2016.